Por uma pauta única

TAICUPAM quer sindicatos unidos à sociedade

   

O TAICUPAM é historicamente comprometido com a união dos sindicatos marítimos. Seus dirigentes tradicionalmente participam de grandes eventos de interesse das categorias aquaviárias.

– Estamos convencidos de que somente unidos poderemos avançar nas conquistas a que o trabalhador tem pleno direito – afirma o presidente do TAICUPAM, Ossian Quadros [em pé, na foto].

Recentemente o sindicato participou de seminário organizado pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aquaviários e Afins, à qual o Sindicato é filiado.

O encontro, intitulado “Transportes – Integração e Soberania”, reuniu dirigentes sindicais e estudiosos na sede da FNTTAA, no Rio. Eles discutiram e condenaram a manobra jurídica que uniu as forças conservadoras para tirar do poder o governo popular da presidenta Dilma Rousseff – ação que grande parte da população chama de golpe.

O professor emérito de Economia Carlos Lessa foi escolhido presidente da mesa. Co-fundador do Instituto de Economia da Unicamp na década de 1960 após voltar de exílio no Chile imposto pela ditadura no Brasil, é mestre concursado da UFRJ desde 1978 e presidiu o BNDES no primeiro governo Lula.

 

TAICUPAM

O presidente do TAICUPAM, Ossian Quadros, concordou com as manifestações surgidas durante o encontro, sobre unificação de esforços.

– É preciso que os sindicatos trabalhem mais ligados à sociedade, mas antes precisamos criar uma integração sindical. O TAICUPAM tem se dedicado à categoria que representa, com prioridade para emprego, salário e ganhos sociais. Estamos dispostos a chegar a esse denominador comum necessário, até porque os direitos dos trabalhadores estão sob risco. Precisamos reagir – adverte o dirigente.

A nova ordem mundial foi uma temática forte do encontro. Dirigentes denunciaram a movimentação internacional das forças conservadoras. A vitória inesperada de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos e a provável pressão do gigante nos vizinhos foi objeto das considerações do jornalista Lorenzo Carrasco, do México, país contra o qual o novo mandatário norte-americano prometeu investir.

Entre as palestras cuja temática central foi a América do Sul, houve advertências diversas. Uma delas, sobre a negociação de âmbito mundial que resultou na compra da Hamburg Süd pela Maersk. A transação tem tudo para impor um grande monopólio no Cone Sul, segundo um dos palestrantes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *